sábado, 24 de dezembro de 2011

Conto Natalino

Chegou o grande dia. A menina esperava por ele o ano inteiro. Era o dia mais feliz de sua vida.
Acordou cedinho e quase não podia conter sua ansiedade. Como demorava o dia a passar, a noite teimava em não chegar. Mas a menina, apesar de sua ansiedade, fingia brincar para enganar o tempo. 
Assim, entre uma brincadeira e outra chegou a hora de se arrumar. Colocou seu vestido azul, estava se sentindo linda. Para um momento tão especial, precisava estar linda. Era noite de Natal. Para ela, a melhor noite de sua vida. Pois todos os anos (não sabia a menina que esse seria o último) saía de mãos dadas com seu pai, sua mãe e seus irmãos. Não faziam uma ceia como todas as famílias, pois não tinham dinheiro para isso, bom, pelo menos era o que acreditavam... E sempre, para celebrar o Natal, saiam a passear, tomavam o ônibus e iam ao centro da cidade, lá desciam e caminhavam pelas ruas iluminadas, enfeitadas com adornos natalinos. Adorava caminhar por entre as lojas segurando a mão de seu pai, se sentia tão segura... Olhava através das vitrines os brinquedos, eram tantos, tantas bonecas, tantas... Mas a menina sabia que não podiam ser dela, pois sempre antes de sair sua mãe lhe avisava: não peça nada, vamos somente olhar... E a menina não pedia, ficava a olhar e imaginar-se brincando com as bonecas tantas que via. Como imaginava, a menina. Como se sentia feliz junto a sua família, sonhando possibilidades.
E de tanto sonhar, terminou a noite adormecida no colo de seu pai, na mais imensa paz, sonhando os mais lindos sonhos e guardando no mais profundo de sua alma a certeza da espera de mais uma noite de Natal.